Software livre! eba… copyleft

Software gratuito,… bom… open source, regime de código aberto ou fechado para sistema operativo Windows. A lista de software vai sendo melhorada com a contribuição dos membros, mas existem excepções:

Não foi postado software que seja gratuito através de publicidade ou outro tipo de adware, excepto quando existe uma opção perfeitamente visível que permita a não instalação desse mesmo adware, permanecendo o software totalmente funcional.

Evitar software que tenha sido descontinuado ou em que o seu desenvolvimento esteja notoriamente abandonado.

Browsers para Internet

Mozilla Firefox – http://www.mozilla.com
Opera – http://www.opera.com/

Clientes de e-mail

Mozilla Thunderbird – http://www.mozilla.com

Clientes de FTP

FileZilla – http://filezilla.sourceforge.net/
FireFTP – http://fireftp.mozdev.org/

Download Managers

Orbit – http://www.orbitdownloader.com
FlashGet – http://www.flashget.com
Free Download Manager – http://www.freedownloadmanager.org

Clientes de IRC

HydraIRC – http://www.hydrairc.com/
XChat – http://www.xchat.org/

IM (Instant Messaging)

Trillianhttp://www.trillian.cc
Pidginhttp://pidgin.im/pidgin/home/
Miranda IM – http://miranda-im.org/

P2P

eMule – http://www.emule-project.net
aMule – http://www.amule.org/index1.php
µTorrent – http://www.utorrent.com/
Azureus – http://azureus.sourceforge.net/
SoulSeek – http://www.slsknet.org/
Ares – http://aresgalaxy.sourceforge.net/

Redes e Internet

Colasoft Ping Tool – http://www.colasoft.com/ping_tool/

Controlo remoto de PCs

RealVNC – http://www.realvnc.com/

Anti-Vírus

Avast! Home Edition – http://www.avast.com/eng/avast_4_home.html
AVG Free – http://free.grisoft.com/
ClamWin – http://www.clamwin.com/

Remoção de Adware, spyware…

Spyware Terminator – http://www.spywareterminator.com/
Windows Defender – http://www.microsoft.com/athome/security/spyware/software/default.mspx
Ad-Aware – http://www.lavasoft.se
SpyBot Search&Destroy – http://www.safer-networking.org/
Spyware Blaster – http://www.javacoolsoftware.com/spywareblaster.html

Office

OpenOffice – http://www.openoffice.org/
AbiWord – http://www.abisource.com/
IBM Lotus Symphony – http://symphony.lotus.com/

Compressão

7-Zip – http://www.7-zip.org
IZArc – http://www.izarc.org
ZipGenius – http://www.zipgenius.it/eng/index.php
TUGZip – http://www.tugzip.com

Limpeza do disco

CCleaner – http://www.ccleaner.com
nCleaner – http://nkprod.ro/ncleaner/

Desfragmentadores

Defraggler – http://www.defraggler.com
JkDefrag – http://www.kessels.com/JkDefrag/index.html
UltraDefrag – http://ultradefrag.sourceforge.net

Gravação CD/DVD

ImgBurn – http://imgburn.com/
DeepBurner Free – http://www.deepburner.com/?r=products&pr=deepburner&prr=features
InfraRecorder – http://infrarecorder.sourceforge.net/
CDBurnerXP – http://www.cdburnerxp.se

Emulação e protecções

Alcohol 52% – http://www.free-downloads.net/programs/Alcohol_52__Free_Edition
Daemon Tools – http://www.daemon-tools.cc

Edição de Vídeo

VirtualDub – http://virtualdub.sourceforge.net/
VirtualDub Mod – http://virtualdubmod.sourceforge.net/
avidemux – http://fixounet.free.fr/avidemux/

Edição de texto

NotePad++ – http://notepad-plus.sourceforge.net/uk/site.htm
WinMerge – http://sourceforge.net/projects/winmerge/

PDF

Foxit PDF Reader – http://www.foxitsoftware.com/pdf/rd_intro.php
Adobe Reader – http://www.adobe.com/products/acrobat/readstep2.html
PrimoPDF – http://www.primopdf.com/

Leitores de música

foobar2000 – http://wwww.foobar2000.org
Winamp – http://www.winamp.com
XMPlay – http://www.un4seen.com/

Codecs

ffdshow – http://www.ffdshow.info

Leitores de vídeo

Media Player Classic – http://sourceforge.net/projects/guliverkli/
smplayer – http://smplayer.sourceforge.net/

Visualizadores de imagens

XnView – http://www.xnview.com
IrfanView – http://www.irfanview.com/

Editores de imagem

Paint.NET – http://www.getpaint.net
The GIMP – http://www.gimp.org/

Media centers

MediaPortal – http://www.team-mediaportal.com/
Myth TV – http://www.mythtv.org/
GeeXboX – http://www.geexbox.org/en/index.html

colaborações extras:

Media Center : http://www.team-mediaportal.com/

Colasoft Ping Tool e é free: http://www.colasoft.com/ping_tool/  

http://www.filehippo.com/ – Update Checker (lado direito do ecrã)
É um descanso! Acabaram-se – ao tempo – as buscas dos updates

IBM lançou um Office SUITE Freeware. – http://symphony.lotus.com/software/lotus/symphony/home.jspa

PrimoPDF – Permite criar pdf’s

BARRIGUINHA E SÍNDROME METABÓLICA, alimentos para comer e evitar, ig alto baixo, ácidos graxos omega 3 6 9…

BARRIGUINHA E SÍNDROME METABÓLICA Indivíduos portadores de 3 ou mais dos diagnósticos abaixo são considerados como portadores da síndrome metabólica:

1. Gordura Abdominal: (varia muito de pessoa/tamanho)
– cintura > 102 cm em homens / 88 cm em mulheres; (em média)

2. Triglicérides alto: 
– 150 mg/dL
3. Baixos níveis de HDL – Colesterol (“bom colesterol”): – 40 mg/dL em homens
– 50 mg/dL em mulheres;

4. Pressão sanguínea alta 
– 135/85 mmHg ou superior ou se está utilizando algum medicamento para reduzir a pressão

5. Níveis altos de Glicose no sangue: 
100 mg/dL ou superior

RECOMENDAÇÕES NUTRICIONAIS PARA O TRATAMENTO E PREVENÇÃO


* A alimentação deve ser acompanhada de exercícios físicos a fim de preservar e/ou aumentar a massa muscular e potencializar a perda de gordura corporal;
* A ingestão de colesterol deve ser reduzida a menos de 300mg por dia;* A dieta deve ser rica em carboidratos complexos e fibras, restrita em sódio, carboidratos simples e a gordura total da alimentação não deve exceder 30% do valor calórico total diário.


SUGESTÕES DE ALIMENTOS QUE DEVEM FAZER PARTE DO SEU DIA-A-DIA

1. SOJA E LEITE DE SOJA

EFEITO: o consumo de 1 litro de leite de soja por dia diminui os níveis de LDL-Colesterol (mau colesterol) e aumenta os níveis do HDL-Colesterol (bom colesterol). A soja é ótima fonte de arginina e glicina, aminoácidos que participam da secreção de glucagon, hormônio que tem efeito termogênico e estimula a queima de ácidos graxos (gorduras). Ou seja, a Soja além de ajudar na prevenção de doenças do coração, diminuir os níveis de colesterol, colabora também no emagrecimento.

2. AZEITE DE OLIVA EXTRA-VIRGEM E PROCESSADO À FRIO

EFEITO: fonte de Gorduras Monoinsaturadas que protegem as artérias, ajudam a aumentar o “bom” colesterol (HDL-Colesterol) e diminuir o colesterol “ruim” (LDL – Colesterol). É indicado para retardar a absorção de glicose e evitar picos de glicemia, pode também ajudar na normalização da pressão arterial.

3. FONTES DE ÔMEGA 3

EFEITO: os peixes ricos em ômega 3, como o atum, o arenque, a sardinha, o bacalhau, o salmão, a cavala, a truta e as sementes de linhaça são poderosos aliados na prevenção de infartos e derrames. Podem também reduzir dores de artrite, melhorar os sintomas da depressão e proteger o cérebro contra as doenças neurodegenerativas como o mal de Alzheimer. A quantidade recomendada de consumo, para a redução dos riscos das doenças do coração é de 180 gramas por semana.

4. GRÃOS, CEREAIS INTEGRAIS E FARELOS

EFEITO: a fibra intacta presente nesses alimentos faz com os carboidratos demorem mais tempo para serem absorvidos. Isso ajuda a regular o nível de açúcar no sangue, aumenta a sensação de saciedade e adia a fome.
QUEM SÃO ELES: trigo integral, aveia, centeio integral, cevada, trigo sarraceno, milho, arroz integral, arroz selvagem, pipoca, grano (trigo levemente perolado), farro (outra forma de trigo), kamut, quinoa, amaranto, sorgo e triticale (uma cruza nova de centeio com trigo).

5. OLIGOSSACARÍDEOS

EFEITO: eles são também conhecidos como “bons carboidratos e podem ser encontrados em alimentos como a banana, cebola, chicória, alho, alcachofra e mel. Os oligossacarídeos são usados como alimento das bactérias boas da flora intestinal, auxiliando no bom funcionamento do intestino, melhorando a digestão e absorção de alguns nutrientes e também podem auxiliar no controle do colesterol, na prevenção de tumores, diabetes e doenças do coração.

6. ERVAS FRESCAS E ESPECIARIAS

EFEITO: além do aroma e sabor que conferem à culinária, seu uso é bastante interessante na redução do consumo de sal, açúcar e na capacidade de auxiliar no processo digestivo.QUEM SÃO: açafrão, manjericão, salsão, alecrim, coentro, cominho, estragão, gengibre, louro, mostarda, noz moscada, orégano, salsinha, sálvia, hortelã, pimentas, tomilho, curry, erva-doce, alho, cebola, cardamomo, cravo, canela, baunilha e outras.


7. FONTES DE POTÁSSIO, MAGNÉSIO E CÁLCIO

EFEITO: uma alimentação com frutas, verduras e laticínios (leite, iogurte e queijos magros) com baixo teor de gordura, que apresentam quantidades consideráveis de cálcio, magnésio e potássio, proporcionam efeitos favoráveis na normalização da pressão arterial e na prevenção de derrames e infartos.
ONDE ENCONTRAR POTÁSSIO: feijões, ervilhas, vegetais de cor verde escuro, banana, melão, abacaxi, cenoura, beterraba, frutas secas, tomate, batata inglesa, laranja.ONDE ENCONTRAR MAGNÉSIO: tofu, soja, salmão, espinafre, caju, abacaxi.

ONDE ENCONTRAR CÁLCIO: leite e iogurte desnatados, queijos magros, coalhada.

8. FIBRAS ALIMENTARES

EFEITO: presentes nas hortaliças, frutas, grãos e cereais integrais, as fibras são classificadas em solúveis e insolúveis. As fibras solúveis são responsáveis pela retenção de água no estômago, formando, dessa forma, uma estrutura gelatinosa. Além de promoverem a saciedade e induzir a redução na ingestão de alimentos, esse tipo de fibra auxilia na diminuição da absorção intestinal de glicose e gorduras. As fibras insolúveis aceleram o movimento do bolo fecal através do intestino, fazendo com que o órgão tenha um tempo menor de exposição aos agentes causadores de doenças.
ONDE ENCONTRAR FIBRAS SOLÚVEIS: aveia, leguminosas frescas e secas como feijão, grão-de-bico, fava, lentilha e soja, frutas frescas –laranja (com bagaço e a parte branca), mamão, pêra, uva, figo, maçã, manga, ameixa fresca, mexerica, abacaxi, banana-prata etc.– e frutas secas.ONDE ENCONTRAR FIBRAS INSOLÚVEIS: cascas de frutas e cereais integrais, farelo e gérmen de trigo, alface, acelga, agrião, aipo, escarola, espinafre, nabo, repolho, rabanete, cenoura, mostarda, brócolis, pimentão e outros.

9. FONTES DE PROTEÍNAS MAGRAS E DE ORIGEM VEGETAL

EFEITO: as proteínas aumentam o efeito térmico das refeições, ou seja, as calorias que o organismo gasta para realizar a digestão e a absorção dos nutrientes. Porém, o excesso no consumo de proteínas pode aumentar a eliminação de Cálcio pela urina. O teor de proteínas da alimentação deve ser 15% do valor calórico diário.
QUEM SÃO: aves, peixes, carnes magras, leite, iogurte e derivados magros, grãos, feijões, soja e derivados, quinoa.

10. FONTES DE VITAMINAS B6, B12 e ÁCIDO FÓLICO

EFEITO: agem na redução dos níveis de homocisteína, proteína presente no sangue que aumenta com a idade e prejudica a circulação sanguínea e pode provocar doenças do coração.
ONDE ENCONTRAR B6: frango, atum, fígado, banana, cereais integrais, levedo de cerveja, arroz integral, cará, alho e sementes de gergelim.ONDE ENCONTRAR B12: leite e derivados magros, atum, carne bovina, salmão.

ONDE ENCONTRAR ÁCIDO FÓLICO: espinafre, feijão branco, aspargos, verduras de folhas escuras, couve de bruxelas, soja, laranja, melão amarelo, maçã.

11. CARBOIDRATOS COM BAIXO ÍNDICE GLICÊMICO

EFEITO: atingem a corrente sanguínea de forma lenta e contínua, promovendo a estabilidade da glicemia. Alguns estudos sugerem que uma alimentação composta por carboidratos de baixo IG pode reduzir os riscos de obesidade, diabetes tipo II e câncer de cólon. Carboidratos com baixo IG são também conhecidos como “Bons Carboidratos”. 
O QUE DEVE SER EVITADO?
1. GORDURAS TRANS

O consumo excessivo de alimentos ricos em gorduras trans pode causar aumento do colesterol total e ainda do colesterol ruim – LDL-colesterol e redução dos níveis de colesterol bom – HDL-colesterol.
As gorduras trans estão presentes em grande parte dos alimentos industrializados: sorvetes, batatas fritas, salgadinhos de pacote, pastelarias, bolos, biscoitos, entre outros; bem como as gorduras hidrogenadas e margarinas, e os alimentos preparados com estes ingredientes.

2. REFRIGERANTES

Estudo realizado pela Universidade da Carolina do Norte, nos Estados Unidos, e publicado em outubro/2004 no American Journal of Preventive Health mostra que uma das medidas mais simples e eficientes para enfrentar a epidemia mundial de obesidade é cortar o consumo de refrigerantes. A amostra utilizada no estudo foi de 73.345 pessoas com mais de dois anos de idade e os resultados mostram que o consumo de refrigerantes cresceu 135% entre 1977 e 2001 no país. Enquanto isso, o consumo de leite caiu 38% no mesmo período. No Brasil a situação não é diferente disso.

3. SAL EM EXCESSO

O excesso de peso é um fator de risco para a hipertensão. Estima-se que 20% a 30% da prevalência de hipertensão arterial pode ser explicada por essa associação.

O sódio é um mineral presente no Sal que atrai água. Por isso, quanto mais salgada estiver a alimentação mais líquido o organismo vai reter. A retenção hídrica aumenta o volume sanguíneo que sobrecarrega o trabalho dos rins para filtrar esse sangue e do coração para bombear.ONDE SE ESCONDE O SAL: embutidos (salame, mortadela, linguiça, presunto e frios em geral), conservas, enlatados, defumados, temperos prontos, salgados de pacote tipo “snacks”, molho de soja, molho inglês, macarrão instantâneo.

4. CARBOIDRATOS REFINADOS E COM ALTO ÍNDICE GLICÊMICO

EFEITO: fazem o pâncreas trabalhar mais para produzir insulina e provocam picos de glicemia (hiperglicemia), seguidos de quedas bruscas da concentração de glicose no sangue (hipoglicemia). O quadro de hiperinsulinemia leva, também, à redução na mobilização e “queima” de ácidos graxos (gorduras) do tecido adiposo.

A Organização Mundial da Saúde recomenda um consumo diário de açúcar não mais que 10% do valor calórico total da alimentação. 

5. BEBIDAS ALCOÓLICAS

Extrapolar no consumo de bebidas alcoólicas leva nosso corpo a buscar e priorizar mecanismos de desintoxicação para a eliminação do etanol (álcool) com consequente prejuízo no metabolismo de carboidratos, gorduras e proteínas. Esse desvio no metabolismo proporciona o acúmulo de energia sob a forma de gordura corporal.
Recomenda-se limitar a ingestão de bebida alcoólica para 30ml de etanol (álcool) por dia para homens e metade disso para mulheres.
30 ml de etanol equivalem a: 720 ml de cerveja OU 240 ml de vinho OU 60 ml de bebida destilada (whisky, vodca, aguardente, conhaque).
“As informações fornecidas não são individualizadas. Portanto, o médico e o nutricionista devem ser consultados antes de se iniciar um tratamento e/ou acompanhamento nutricional.”

Referências bibliográficas: 

1. THE HORMONE FOUNDATION/THE ENDOCRINE SOCIETY - The Metabolic Syndrome. Disponível em: http://www.hormone.org/pdf/bilingual_met_syndrome.pdf . Acessado em 16/12/2004.
2. SBEM - SOCIEDADE BRASILEIRA DE ENDOCRINOLOGIA - Síndrome Metabólica. Disponível em: http://www.endocrino.org.br/oqtrata_011.php . Acessado em 16/12/2004.
3. SBH - SOCIEDADE BRASILEIRA DE HIPERTENSÃO - I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica. Disponível em http://www.sbh.org.br/noticias.asp?codigo=333 . Acessado em 16/12/2004.
4. UNIFESP - Soja, fonte do bom colesterol. Jornal da Paulista Ano 16 - N° 177. Março de 2003.
5. FAPESP - Refrigerante no lugar de leite. Agência de Notícias da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, 21/09/2004.
6. BAXTER, Y. - Fibras e índice glicêmico dos alimentos. SBNPE. Boletim Maio/Junho 2002. Disponível em: www.sbnpe.com.br/boletins/39/b39-fibras-indice.htm , acessado em 19/03/04.
7. WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO) - Global strategy on diet, physical activity and health adopted by World Health Assembly. 22 May 2004.
8. AGENCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA (ANVISA) - Gorduras Trans. Disponível em: www.anvisa.gov.br/alimentos/gordura_trans.pdf . Acessado em 16/12/2004.

perder peso, alimentação saúdavel, medicamentos, dietas… + dicas

Usar medicação:

Que coisa feia!? não….

A obesidade é uma doença que causa muitos outros problemas, e infelizmente como também tem várias causas, às vezes não conseguimos uma perda de peso satisfatória com as medidas anteriores.

Somente neste caso, ou quando as doenças acompanhantes (diabetes, hipertensão, problemas de coronárias, etc) já produzem um risco muito maior ao paciente, iniciamos os medicamentos.

Nenhum remédio faz milagre. Faça sua parte e use o remédio com a CONSCIÊNCIA de que ele não será para sempre. VOCÊ é “para sempre”. VOCÊ tem a responsabilidade.

Existem vários tipos de medicamentos, que agem no cérebro, no intestino, e no metabolismo.

Infelizmente quanto mais potente e mais antiga a droga, mais efeitos colaterais aparecem. Quanto mais moderna e com menos efeitos colaterais, mais CARA.

Dietilpropiona: Age no cérebro e diminui a fome. É bastante potente, mas tem muitos efeitos colaterais: Insônia, palpitações, dor de cabeça, irritação. Pode causar dependência química. Não deve ser dada a crianças, idosos, hipertensos, cardiopatas e psiquiátricos.

Femproporex: Mesma ação do anterior, com menos efeitos colaterais. Se houver muita necessidade, com cuidado pode ser usado em hipertensos e idosos.

Anfepramona: Mesma ação, mas quimicamente diferente, diminui o apetite.

Mazindol: Age por mecanismo diferente dos anteriores, mas também é no cérebro. Funciona, mas pode causar síndrome do pânico em pessoas predispostas. Deve ser usada por pouco tempo.

A Fluoxetina e a Sertralina: São antidepressivos, que apesar de não serem específicos para tratamento de obesidade, ajudam bastante nos pacientes ansiosos e depressivos.

Sibutramina: Age de duas maneiras, diminuindo a fome e aumentando o metabolismo para consumir mais energia. È a mais moderna, eficiente e cara. Pode alterar os níveis de pressão arterial, mas a perda de peso conseguida geralmente compensa esta alteração muito bem. Pode causar palpitações, boca seca, dor de cabeça, prisão de ventre e insônia, mas com muito menos freqüência que os anteriores.

Uma nova classe de medicamentos são os que diminuem a absorção de gorduras no intestino.

O Orlistat é o único no Brasil, mas o preço é um pouco salgado, e os efeitos colaterais são bem chatos. A diminuição da absorção de gorduras pelo intestino, faz com que elas passem direto, ou seja, causa fezes moles malcheirosas e às vezes dificuldade para controlar o momento de evacuar…Não sei se o que funciona é o remédio ou a pessoa pára de comer gordura para evitar os efeitos colaterais!

Fenilpropanolamina e efedrina: Cultivada pelos atletas e pessoal de academia em geral, elas aceleram a queima de gordura pelo corpo, mas aumentam a chance de derrame cerebral!

Metformina: medicamento usado para diabéticos, e só para eles, que também precisam perder peso.

Extratos e hormônios tireoidianos: Liotironina, levotiroxina, tiratricol, não são remédios para emagrecer, mas mesmo assim, por aumentarem o metabolismo, ocasionalmente são incluídos no tratamento. Os efeitos colaterais são palpitações, irritabilidade, insônia.

Tranqüilizantes: Todos da família do Diazepam, como o Alprazolam, Bromazepam, Clonazepam, Lorazepam. Todos servem para diminuir a ansiedade que pode causar a alimentação compulsiva e fora de horário. Podem causar sedação, depressão, ou paradoxalmente agitação e irritabilidade. Está sendo discutido se aumentam a chance de Mal de Parkinson ou Alzheimer, a longo prazo.

Calmantes naturais:
Passiflora: É o Maracujá chique. Ajuda também a baixar a pressão.
Valeriana: Reduz a ansiedade e a irritabilidade.

Diuréticos:
Aumentam a eliminação de urina, para diminuir os edemas. A perda de peso que causam não é de gordura, não se enganem. Podem causar baixa de potássio no sangue e queda da pressão arterial. Podem estimular a formação de pedras nos rins.

Ervas ou fitoterápicos que auxiliam a perda de peso: Agora estou num campo duvidoso. Apesar de ver muita gente usando e emagrecendo com o uso de fitoterápicos, existem poucos estudos sérios sobre elas.

Eu costumo dizer que se não fizer mal, pode tomar.

Mas qualquer substância em excesso é potencialmente perigosa, inclusive as ervas.
O alho, por exemplo, serve para baixar a pressão arterial, mas causa gastrite.

Algumas plantas usadas são:

Alcachofra: Acelera o metabolismo das gorduras. Também diurética.
Aloína: Laxante natural.
Spirulina: Alga que induz sensação de saciedade. (boa e carinha, caso conheça um lugar barato, avise!)
Ginseng: Aumenta a disposição e diminui a ansiedade causada pela dieta. (excellente! barato em pó)
Chlorella: Alga que induz sensação de saciedade. (em testes… caro)
Quitosana: Fibra natural do casco de crustáceos, diminui a absorção de gorduras pelo intestino. (duvidoso e caro)
Lecitina de Soja: Atua no metabolismo das gorduras e tem ação diurética.(interessante, não testei)
Sene: Laxante natural.
Cáscara Sagrada: Laxante natural.
Porangaba: Diurético natural. (já foi moda, rs, não testei)
Fucus: Alga com ácido algínico que aumenta a saciedade, e por ter iodo estimula a tireóide.
Carqueja: Possui o elemento Cromo que está associado com a perda de peso. (interessante, esta na lista)
Chá verde: Acelerador de metabolismo (cafeína). (mais diurético na prática…)
Ágar-ágar: Extraída de algas, serve como laxante e aumenta a saciedade.
Goma-Guar: Extraída de sementes, é laxante e aumenta a saciedade (A carboxi-metilcelulose e a gelatina animal também têm o mesmo efeito).
 

destaques e a procura deles!

  • Faseolamina: Diminui os níveis de açúcar no sangue.
  • Cassiolamina: Facilita a eliminação das gorduras pelo intestino.

Glucomannan: Fibra alimentar, regula o intestino.
Garcínia: Redutor de apetite. (interessante)
Gymnema: Diminui o apetite por doces.(nunca vi)
Centella Asiática: Atua no colágeno, melhora a circulação e é diurética.
Hoodia Gordonii: Inibidor de apetite natural e supressor de sede. Parece muito promissora. (nunca vi)

*Reavaliar o progresso:

As medidas do peso com cálculo do IMC e RCQ devem ser feitas em intervalos regulares, geralmente a cada semana, mas a variação destas medidas não deve ser motivo para frustração.

Os exames de sangue são repetidos de acordo com a doença coexistente.

Olhe as medidas na sua tabelinha, acompanhe os progressos e reveja os motivos das recaídas. Pense o que você poderia ter feito nestas ocasiões.

*Viver e conviver bem:

O Objetivo do tratamento é perder de 5 a 15% do peso inicial. É pouco, mas é realista. Não adianta querer logo um peso “que deixa feliz”, porque geralmente a expectativa exagerada causa a frustração.

O mais importante é MANTER o peso depois de emagrecer.

Perdas grandes em pouco tempo, principalmente com remédios, geralmente são de água e músculos, e quando se diminui a musculatura, você gasta menos energia e engorda de novo!

Vamos colocar a META de perder de 2 a 4 quilos por mês ou 10% do peso inicial.
Anote esta META no seu Cartão.

Perder de 0,5 a 1 quilo por semana costuma ser mais fácil de manter a longo prazo.

Identifique seus gatilhos psicológicos:

Você come quando está ansioso? Come na frente da TV? Come mais quando bebe álcool? Mais à noite? Mais quando está sozinho? De pé? Em restaurante por quilo? Sempre apressado? Antes de dormir? Não senta à mesa?

Tudo isto deve ser analisado e evitado.

O cérebro leva uns minutos para perceber que você está sem fome. Se estiver comendo na frente da TV, o cérebro está mais preocupado com o programa…e você come todo o pacote de biscoitos e diz: “Já?”.

Sente para comer e faça sempre o mesmo ritual.
Mastigue bem e lentamente os alimentos, para “dar tempo” ao cérebro.

Não coma muito antes de dormir, pois seu metabolismo vai diminuir e você vai absorver tudo.

Não vá ao supermercado quando estiver com fome, nem leve as crianças, para não cair em tentação e comprar guloseimas. Faça uma lista de compras antecipadamente e comprometa-se com ela.

Dica: “Gordo pensa como gordo”. Se você pensar como magro e comer como o magro, vai emagrecer. A definição de loucura é fazer sempre a mesma coisa e querer resultados diferentes.

As várias dietas da moda (e os remédios para calvície) existem porque nenhuma é 100% eficiente.

Dieta das proteínas ou do Dr. Atkins: Funciona, mas tem pouca investigação científica sobre a sua segurança e é muito difícil de manter a longo prazo. E o meu macarrão?

South Beach: Semelhante à dieta do Dr. Atkins, mas com maior variação nos alimentos. Boa para perder barriga. Foi idealizada por um cardiologista.

Dieta dos bons carboidratos: Parecida com estas noções dadas aqui. Comer carboidratos complexos e evitar os simples. (ig alto e baixo…)

Dieta dos pontos: Difícil andar com a tabelinha de calorias pra todo lado, mas funciona, porque é matemática.

Dieta da USP: Não tem nada a ver com a USP. É ridícula.

Dieta hipocalórica balanceada: Tem vários níveis, do mais urgente ao mais saudável. É a mais eficiente e saudável. É calculada pela nutricionista, sempre.

Dieta do tipo sanguíneo: A teoria é muito interessante, mas não achei nenhuma comprovação científica. Não é uma dieta muito fácil de se adaptar.

Dietas personalizadas para diabéticos, hipertensos, portadores de Gota, problemas de colesterol, deficiências renais ou hepáticas: Com menos açúcar, com menos sal, com menos proteínas e mais carboidratos, com menos gordura, cada uma vai depender de avaliação médica.

FIM do artigo… leia mais para conhecer melhor 

acasalamento administração adolescencia agua alexandre magno ambiente competitivo anorexia aquecimento global arte de ceder artigos artigos de ginastica artigos futuro admin artigos água e saúde atendimento banco comercial bancos comerciais cargos e salarios cliente clima organizacional comida feita na rua comunicação concursos congregação cristã consultoria contabilidade contabilidade custo cultura organizacio desemprego doenças bacterias educar para cidadan educação educação ambiental educação difusa educação emocional educação,cultura, empresa entidades financeir escola cognitiva escolas do pensamen esporte estatistica estereotipo da bele etica fenomenologia ferramenta qualidade finanças fisioterapia frazes motivação futebol gestão de pessoas gestão financeira ginástica rítmica hipertrofia muscular inadimplencia inclusão digital informatica liderança logistica marketing matemática meio ambiente membrana da celula modelo de artigo motivação mulheres musculação estética networking o que e artigo o que são artigos o que é feedback o que é patrimônio? os donos do poder pratica pedagogica privatização no bras professor professor pesquisado propaganda psicologia psicologia rh qualidade qualidade de vida recrutamento recrutamento e sele recursos humanos relacionamento reuniões saúde sucesso tecnologia televisÃo e cristo trabalho trabalho em equipe transportes treinamento de força turismo vantagem competitiv vantagem competitiva vendas violencia yoga cinesiologia

futuro do esporte: Doping Genético e terapia gênica: Aspectos biomoleculares – fim da competitividade?

Doping Genético e terapia gênica: Aspectos biomoleculares

Ramirez, A. Atualidades em Fisiologia e Bioquímica do Exercício 1(1): 32-37, 2005.

Doping genético é a utilização não terapêutica de genes, elementos genéticos e/ou células que têm a capacidade de melhorar a performance atlética (WADA, 2005). A terapia gênica consiste em introdução: a) de genes responsáveis por produtos terapêuticos, isto é genes normais, ou b) de células geneticamente modificadas com a finalidade de bloquear a atividade de genes prejudiciais, ativar mecanismos de defesa imunológica, ou ainda produzir moléculas de interesse terapêutico (Nadir & Ventura, 2005). Isto pode significar que a terapia gênica e o doping genético, caso exista ou vier a existir, ocorreriam por procedimentos idênticos, porém com finalidades diferentes.

Atualmente as estratégias utilizadas para experimentação em terapia gênica são: a) inserção de um gene em local não específico do genoma para substituição de um gene não funcional, b) um gene anormal pode ser substituído por um gene normal pela recombinação homóloga, c) o gene anormal pode ser corrigido por mutação reversa seletiva retornando o gene à sua função normal, d) a regulação da expressão gênica de um determinado gene pode ser alterada. Os veículos de transferência gênica, os vetores, podem ser: a) químicos e físicos – microinjeção de DNA nu, biobalística, eletroporação, transfecção com fosfato de cálcio, lipossomos e outros polímeros catiônicos, b) biológicos – vetores virais: retrovirais, adenovírus, vírus adeno-associados e herpes vírus. Entretanto, diferentemente do objetivo da terapia gênica que é a cura, o doping genético não requer exatamente a modificação em um gene ou célula especificamente, há muitas variáveis genéticas que, se modificadas, podem levar ao aumento do rendimento esportivo.

Rankinen et al. (2004) elaborou, a partir de dados da literatura específica, o mapa com os genes candidatos para os fenótipos de performance física e saúde. Como tem sido um trabalho constante do pesquisador desde 2000, na atualização de 2003 do mapa foram registrados 109 genes nucleares, dois ligados ao cromossomo X e 15 mitocondriais. Na atualização de 2005 os autores incorporaram os genes que foram associados tanto com a condição física como com indicadores de sedentarismo. Assim, a nova versão inclui 140 genes autossômicos e QTLs além de quatro genes ligados ao cromossomo X, e 16 mitocondriais (Wolfarth, 2005). No entanto, dos genes candidatos ao doping genético, os mais estudados e citados em artigos científicos são apenas três: EPO (eritropoietina), IGF-1 (fator de crescimento 1 semelhante à insulina) e GDF-8 (miostatina). No Congresso Pré-Olímpico de 2004 o VEGF foi citado como provável alvo por aumentar o número de vasos sanguíneos permitindo uma maior vascularização dos diferentes órgãos solicitados pela prática desportiva. O gene codificador da endorfina também foi apresentado por possibilitar aumento no limiar da dor, permitindo treinos e competições mais intensos (van Hilvoorde, 2004).

Eritropoietina (EPO): A Eritropoietina é uma citocina de 34kDa de massa molecular, historicamente considerada hormônio (glicoprotéico), sintetizada pelo gene EPO localizado em 7q21. É o principal regulador da produção de células vermelhas, com função de promover a diferenciação eritrocitária e o início da síntese de hemoglobina. É sintetizada principalmente pelas células renais, embora no sistema nervoso central os neurônios tenham receptores de EPO. Os astrócitos também produzem EPO (OMIM, 2005). O aumento na quantidade de EPO aumenta o número de glóbulos vermelhos no sangue e a produção de hemoglobina. Assim a administração de vários tipos de EPO recombinantes e similares (rHuEPO-α, rHuEPO-β, rHuEPO-ω, darbepoietina-α, rHuEPO-δ/GA-EPO, rHuEPO encapsulada, EPO miméticos) é útil no tratamento de anemias severas (congênitas, adquiridas, e causadas por insuficiência renal crônica). Por raciocínio semelhante, a administração de EPO é uma das formas de aumentar o transporte de oxigênio, e consequentemente o desempenho esportivo em modalidades de longa duração. Experimentos conflitantes são os que revelaram a eficácia da terapia gênica com EPO em macacos (Zhou et al., 1998), pois da mesma maneira que a transferência gênica se revelou eficiente, foi responsável pelo aumento excessivo de EPO (75%), levando a uma concentração de hemácias incompatível com a vida. Pesquisa deste ano revela que o controle farmacológico da expressão gênica será necessário para a segurança e eficácia da terapia gênica (Rivera et al., 2005).

Fator de crescimento 1 semelhante à insulina (IGF-1): O fator de crescimento 1 semelhante à insulina (também conhecido como fator de crescimento muscular ou somatomedina C), codificado por um gene localizado em 12q22-q24.1, é uma cadeia polipeptídica simples contendo 70 aminoácidos. O IGF-1, além de ter estrutura tridimensional semelhante à da insulina, permite a ação do hormônio de crescimento por ser mediador de muitos, se não de todos, os efeitos deste hormônio (OMIM, 2005). Apesar do IGF-1 sérico ser sintetizado em maior quantidade pelo fígado, outros tecidos também o sintetizam e são sensíveis ao seu efeito. Os genes finais na cascata de síntese do GH incluem o IGF-1 e seu receptor IGF-1R, cujos produtos estimulam o crescimento em vários tecidos incluindo ossos e músculos (Phillips, 1995; Rimoin & Phillips, 1997 apud OMIM, 2005). Na circulação os IGFs são predominantemente unidos às proteínas de ligação (IGFBPs), que prolongam a meia vida dos IGFs e têm função de enviá-los aos tecidos alvo (Yakar et al., 1999). O processo de envelhecimento humano leva a um declínio da massa e do desempenho muscular esquelético, comprometendo a integridade muscular com invasão fibrótica em substituição ao tecido contrátil. Musaro et al. (2001) bem como Barton-Davis et al. (1998) e Barton et al. (2002), trabalhando com modelos animais, sugeriram que a transferência gênica de IGF-1 para o músculo poderia servir de base para a terapia gênica como prevenção da perda de função muscular associada ao envelhecimento. O aumento do IGF-1 também pode promover a hipertrofia através de um aumento na síntese protéica e proliferação de células satélites. Lee et al. (2004) verificaram um aumento da hipertrofia através do efeito acumulativo da combinação de exercício de resistência e administração de IGF-1 que resultou em aproximadamente 30% de aumento de massa muscular e força em camundongos. A combinação do exercício de resistência e a expressão de IGF-1 induziu maior hipertrofia que os dois isoladamente. Além disto, a perda de massa muscular pelo destreino foi maior quando não houve a administração de IGF-1.

Miostatina (GDF-8): A superfamília do fator de crescimento transformante beta compreende um grande número de fatores de crescimento e diferenciação fundamentais na regulação do desenvolvimento embrionário e manutenção da homeostase tecidual em animais adultos e em desenvolvimento. O GDF-8 é um gene desta superfamília localizado na região 2q32.2 responsável pela codificação da miostatina, uma proteína que controla a manutenção da massa muscular esquelética (OMIM, 2005). McPherron et al. (1997) identificaram, em camundongos, que o GDF-8 codifica 376 aminoácidos que compõem a miostatina. Durante os primeiros estágios da embriogênese a expressão de GDF-8 é restrita ao compartimento miotômico dos somitos, nos estágios posteriores e nos animais adultos o GDF-8 é expresso na musculatura esquelética. No músculo esquelético a miostatina é transcrita como um RNA mensageiro de 3.1kb que codifica uma proteína precursora contendo 335 aminoácidos. Esta proteína é expressa, sofre clivagem, é secretada no plasma, e pode ser detectada nas fibras musculares esqueléticas I e II (Gonzalez-Cadavid et al., 1998). Em camundongos adultos, a miostatina circula como uma forma latente no sangue que pode ser ativada em meio ácido, similar ao TGF-β. A expressão excessiva de miostatina sistêmica em ratos adultos induziu a perda de massa muscular profunda e de gordura sem, no entanto, diminuir a absorção de nutrientes (Zimmers et al., 2002). Para determinar a função biológica da miostatina, McPherron et al (1997) inviabilizaram a expressão do gene GDF-8 em camundongos. Como resultado, os animais sem GDF-8 ficaram significantemente maiores que os não modificados, e a análise de cada músculo revelou aumento de duas a três vezes na massa muscular quando comparados aos animais não transformados. Estes aumentos foram atribuídos a uma combinação de hiperplasia e hipertrofia. Em outros experimentos realizados com inibição da expressão de miostatina em camundongos, Lin et al. (2002) e McPherron&Lee (2002) também observaram aumento na massa muscular além de redução na produção e secreção de leptina, fato este que foi associado à redução da deposição de gordura, sugerindo que a miostatina estivesse envolvida tanto na regulação do tecido adiposo, quanto na do tecido muscular estriado esquelético. Além disto, os autores perceberam que a perda da miostatina atenua parcialmente a obesidade e o diabetes tipo II, sugerindo que os agentes farmacológicos que bloqueiam a função da miostatina possam ser úteis não somente para promover o crescimento muscular, mas também para desacelerar ou prevenir o desenvolvimento da obesidade e diabetes tipo II. Bogdanovich et al. (2002) testaram a habilidade de inibição da miostatina in vivo para melhorar os fenótipos distróficos em camundongos mdx. Eles bloquearam a miostatina nestes camundongos injetando anticorpos bloqueadores intraperitonealmente durante três meses. Os resultados revelaram aumento de peso, massa, tamanho e força muscular absoluta, com uma diminuição significante na degeneração muscular, e concentração sérica de creatino-quinase. Os autores concluíram que o bloqueio da miostatina oferece uma estratégia nova para o tratamento de doenças associadas à perda muscular como a Distrofia Muscular Duchenne. Em experimento semelhante, Wagner et al. (2002) verificaram redução na extensão da fibrose muscular e melhora em algumas características do fenótipo distrófico. No ano passado, foi identificada uma variação alélica em uma mãe e uma criança com hipertrofia e força muscular incomuns, uma mutação que levou à síntese de uma proteína severamente truncada (Schuelke et al., 2004). Segundo os mesmo autores, apesar da miostatina também ser sintetizada no músculo cardíaco, nenhuma anormalidade da função cardíaca foi detectada em ambos.

Especificamente para o esporte a terapia gênica tem o potencial de recuperar tecidos de baixa capacidade regenerativa tais como tendões, cartilagens e músculos estriados esqueléticos facilitando a recuperação de rompimentos de ligamentos cruzados (anterior e posterior), meniscos, lesões em cartilagens, e calcificação óssea tardia através da inserção de fatores de crescimento (IGF-1, bFGF, NGF, PDGF , EGF , TGF-alpha, TGF-beta, BMP-2) para estimular a cicatrização (Martinek et al., 2000, Huard et al., 2003).

Assim percebe-se que, apesar de pouco sucesso documentado, e algumas intercorrências, a terapia gênica tem se revelado como uma crescente influência no paradigma clínico para o tratamento de doenças herdadas e não herdadas que podem, inclusive, colaborar para a medicina esportiva. Isto não significa afirmar que o doping genético já existe ou existirá, se é benéfico ou não à saúde do atleta, mas remete à necessidade de mais estudos científicos, bem como discussão bioética ampla, principalmente no meio acadêmico e esportivo.

Barton E.R., Morris L., Musaro A., Rosenthal N., Sweeney H.L. Muscle-specific expression of insulin-like growth factor I counters muscle decline in mdx mice. J. Cell Biol. 157: 137-147, 2002.
Barton-Davis E.R., Shoturma D.I., Musaro A., Rosenthal N., Sweeney H.L. Viral mediated expression of insulin-like growth factor I blocks the aging-related loss of skeletal muscle function. Proc Natl Acad Sci USA 95(26): 15603-7, 1998.
Bogdanovich S, Krag T.O.B., Barton E.R., Morris L.D., Whittemore L.-A., Ahima R.S., Khurana T.S. Functional improvement of dystrophic muscle by myostatin blockade. Nature 420: 418-421, 2002.
Gonzalez-Cadavid N. F., Taylor W. E., Yarasheski K., Sinha-Hikim I., M.a.K., Ezzat S., Shen R., Lalani R., Asa S., Mamita M., Nair G., Arver S., Bhasin S. Organization of the human myostatin gene and expression in healthy men and HIV-infected men with muscle wasting. Proc. Nat. Acad. Sci. 95: 14938-14943, 1998.
Huard J., Li Y., Peng H., Fu F.H. Gene therapy and tissue engineering for sports medicine. J Gene Med. 5(2): 93-108, 2003.
Lee S., Barton E.R., Sweeney H.L., Farrar R.P. Viral expression of insulin-like growth factor-I enhances muscle hypertrophy in resistance-trained rats. J Appl Physiol. 96(3): 1097-104, 2004.
Lin J., Arnold H.B., Della-Fera M.A., Azain M. J., Hartzell D.L., Baile C.A. Myostatin knockout in mice increases myogenesis and decreases adipogenesis. Biochem. Biophys. Res. Commun. 291: 701-706, 2002.
Martinek M., Fu F.H., Huard J. Gene Therapy and Tissue Engineering in Sports Medicine. Phys Sports Med. 28(2): 2000. Disponível em <
http://www.physsportsmed.com/issues/2000/02_00/huard.htm>. Último acesso: 20/06/2005.
McPherron A.C., Lawler A.M., Lee S.-J. Regulation of skeletal muscle mass in mice by a new TGF-beta superfamily member. Nature 387: 83-90, 1997.
McPherron A.C., Lee S.-J. Suppression of body fat accumulation in myostatin-deficient mice. J. Clin. Invest. 109: 595-601, 2002.
Musaro A., McCullagh K., Paul A., Houghton L., Dobrowolny G., Molinaro M., Barton E.R., Sweeney H.L., Rosenthal N. Localized Igf-1 transgene expression sustains hypertrophy and regeneration in senescent skeletal muscle. Nature Genet. 27: 195-200, 2001.
Nardi N.B.; Ventura, A.M. Terapia Gênica. In: Mir, L. Genômica. Atheneu, Rio de Janeiro, 2005, págs 625-642.
Online Mendelian Inheritance in Men (OMIM) Disponível em <
http://www.ncbi.nlm.nih.gov/entrez/query.fcgi?db=OMIM>. Último acesso: 11/06/2005.
Rankinen T., Pérusse L., Rauramaa R., Rivera M.A., Wolfarth B., Bouchard C. The human gene map for performance and health-related fitness phenotypes: the 2003 update. Med Sci Sports Exerc, 36(9): 1451-69, 2004.
Rivera V.M., Gao G.P., Grant R.L., Schnell M.A., Zoltick P.W., Rozamus L.W., Clarckson T., Wilson J.M. Long-term pharmacologically regulated expression of erythropoietin in primates following AAV-mediated gene transfer. Blood 105(4): 1424-30, 2005.
Schuelke M., Wagner K.R., Stolz L.E., Huber C., Riebel T., Komen W., Braun T., Tobin J.F., Lee S.-J. Myostatin mutation associated with gross muscle hypertrophy in a child. New Eng. J. Med. 350: 2682-2688, 2004.
Van Hilvoorde I. Achilles contra the Tortoise. Why WADA cannot run faster than the genetically enhanced athlete. Proceedings of 2004 Pre-Olympic Congress. v.I, L.124, p.90, 2004.
Wagner K.R., McPherron A.C., Winik N., Lee S.-J. Loss of myostatin attenuates severity of muscular dystrophy in mdx mice. Ann. Neurol. 52: 832-836, 2002.
Wolfarth B., Bray M.S., Hagberg J.M., Pérusse L., Rauramaa R., Rivera M.A., Roth S.M., Rankinen T., Bouchard C. The Human Gene Map for Performance and Health-Related Fitness Phenotypes: The 2004 Update. Med Sci Sports Exerc. 37(6): 881-903, 2005.
World Anti-Doping Agency (WADA). The 2005 Prohibited List: International Standards. On line. Disponível em <
http://www.wada-ama.org/rtecontent/document/list_2005.pdf>. Último acesso: 26/05/2005.
Yakar S., Liu J.-L., Stannard B., Butler A., Accili D., Sauer B., LeRoith D. Normal growth and development in the absence of hepatic insulin-like growth factor I. Proc. Nat. Acad. Sci. 96: 7324-7329, 1999.
Zhou S., Murphy J.E., Escobedo J.A., Dwarki V.J. Adeno-associated virus-mediated delivery of erythropoietin leads to sustained elevation of hematocrit in nonhuman primates. Gene Ther. 5(5): 665-70, 1998.
Zimmers T.A., Davies M.V., Koniaris L.G., Haynes P., Esquela A.F., Tomkinson K.N., McPherron A.C., Wolfman N.M., Lee S.-J. Induction of cachexia in mice by systemically administered myostatin. Science 296: 1486-1488, 2002.

Arthur C Clarke – autor, pequisador …. 2001 odisséia no espaço e outros +

Arthur C. Clarke

Arthur C. Clarke

Arthur Charles Clarke, mais conhecido como Arthur C. Clarke (Minehead, Somerset, 16 de dezembro de 1917) é um escritor e inventor britânico, autor de obras de divulgação científica e de ficção científica, como por exemplo os contos The Sentinel, A Estrela, A muralha das Trevas, As Canções da Terra Distante e os romances 2001: Uma Odisséia no Espaço, 2010: Uma Odisséia no Espaço 2, 2061: Uma Odisséia no Espaço 3, 3001: A Odisséia Final, Encontro com Rama, O Enigma de Rama, O Jardim de Rama, A Revelação de Rama, As Fontes do Paraíso, O Berço dos Super-Humanos, A Cidade e as Estrelas.

Desde pequeno mostrou sua fascinação pela astronomia, a ponto de, utilizando um telescópio caseiro, desenhar um mapa da Lua. Durante a Segunda Guerra Mundial, serviu na Royal Air Force (Força Aérea Real britânica) como especialista em radares, envolvendo-se no desenvolvimento de um sistema de defesa por radar, sendo uma peça importante do êxito na batalha da Inglaterra. Depois, estudou Física e Matemática no King’s College de Londres.

Talvez sua contribuição de maior importância seja o conceito de satélite geoestacionário como futura ferramenta para desenvolver as telecomunicações. Ele propôs essa idéia em um artigo científico intitulado “Can Rocket Stations Give Worldwide Radio Coverage?”, publicado na revista Wireless World em Outubro de 1945. A órbita geoestacionária também é conhecida, desde então, como órbita Clarke.

Desde 1956 vive em Colombo, no Sri Lanka (antigo Ceilão), em parte devido a seu interesse pela fotografia e exploração submarina.

Teve dois de seus romances levados ao cinema, 2001: Uma Odisséia no Espaço (br/pt) dirigido por Stanley Kubrick (1968) e 2010: O ano em que faremos contato (br) 2010: O ano do contacto (pt) dirigido por Peter Hyams (1984), sendo o primeiro considerado um ícone tão importante da ficção científica mundial que especialistas lhe atribuem forte influência sobre a maioria dos filmes do gênero que lhe sucederam.

Sinopse

A origem do Homem e sua escalada ao Espaço, neste clássico adaptado ao cinema a partir do conto que deu origem a este livro. Uma anomalia magnética na lua leva integrantes de sua colônia à descoberta de um monolito, que ao ser tocado pelo sol envia uma mensagem em direção a Júpter.
Reeditado por Master Uchiha

 

Encontro Com Rama

Sinopse

Primeiramente detectado como asteróide 31/439 pelo radar, quando ainda se encontrava além da órbita de Júpiter, logo os computadores deduziram, com base na força do eco, ter ele diâmetro de 40 quilômetros. E mais: que havia cem anos não se descobria no espaço nenhum gigante de tal porte. Aí começa a dupla trajetória, a de Rama e a da aventura, do mistério, ambas posicionadas na rigorosa exatidão científica do autor. E o que dá especial validade ao livro é esse entrecruzar constante de ficção científica e ciência.

 

3001 A Odisséia Final

Sinopse

Conclusão de 2001 Uma Odisséia no Espaço.
Em 3001, inacreditavelmente, a raça humana sobreviveu, temerosa do
trio de monolitos que domina o sistema solar. Então, surge um lampejo único de esperança. O corpo de Frank Poole, que se acreditava morto havia mil anos, é recuperado dos gélidos confins da galáxia… Neste livro, Arthur C. Clarke leva a maior e mais bem-sucedida série de ficção científica de todos os tempos a sua conclusão magnífica e imprevisível. Ele dá um brilhante salto de mil anos para o futuro, a fim de revelar uma verdade que só agora podemos compreender. Esta é uma história que somente ele saberia contar.

 

Publicado em ead, ebook, swot. Leave a Comment »

OS AXIOMAS DE ZURIQUE, como ficar rico fácil e com sabedoria

OS  AXIOMAS  DE  ZURIQUE

Por Max Gunter (Ed. Record, 14a. edição, 2005)

1. Do Risco

  • Um emprego estável e seguro nunca deixará você rico.

  • Se você gosta de pouco risco, também ganhará pouco dinheiro.

  • Preocupação não é doença, mas sinal de saúde. Se você não está preocupado, não está arriscando o bastante.

  • Só invista no que você achar que realmente vale a pena.

  • Não diversifique muito sua carteira de ações: de um a quatro papéis é o máximo que você consegue acompanhar de perto, evitando surpresas desagradáveis.

2. Da Ganância

  • Realize o lucro o mais cedo possivel.
  • Não seja ganancioso, querendo sempre ganhar mais. Chegando ao limite que você estabeleceu, caia fora rápido.

3. Da Esperança

  • Quando o barco começar a afundar, não reze: abandone-o depressa.
  • Não fique esperando melhorar: seja rápido.
  • Use o indice da Standard and Poors 500 como referência.

4. Das Previsões

  • Não acredite em previsões alheias: geralmente estão furadas.
  • Não acredite em oráculos e gurus. Eles erram mais do que acertam.

5. Dos Padrões

  • O comportamento humano, a causa das oscilações na Bolsa, é imprevisivel e caótico.
  • Não acredite em correlações. No máximo, valem para um pequeno periodo de tempo.
  • A História não se repete nunca. As situações são sempre diferentes.
  • Não existem padrões que se repetem nem fórmulas milagrosas. O caos é a regra.
  • O fator mais poderoso de sucesso é a sorte.
  • Não acredite em frases como “hoje é meu dia de sorte”.

6. Da Mobilidade

  • Não lance raizes: elas tolhem o seu movimento.
  • Nunca se apegue a coisas materiais: apegue-se somente a pessoas.
  • Não tenha sentimentos como saudades ou lealdade a uma empresa.
  • Se aparecer algo mais atraente, mude rápido de posição.

7. Da Intuição

  • Só se pode confiar num palpite se puder ser racionalmente explicado.
  • Nunca confunda palpite com esperança, nem razão com emoção.

8. Da Religião e do Ocultismo

  • É improvável que entre os desígnios de Deus para o Universo, se inclua o de tornar você rico.
  • Não acredite em ocultismo.
  • Se astrologia funcionasse, os astrólogos seriam ricos.
  • Não se enriquece rezando.
  • Não precisa exorcizar uma superstição: apenas divirta-se com ela.

9. Do Otimismo e do Pessimismo

  • Otimismo significa esperar o melhor, mas confiança significa saber como se lidar com o pior.
  • Jamais faça uma jogada baseado apenas no otimismo.
  • Antes de pôr seu dinheiro num negócio, pergunte antes como pulará fora se der errado.

10. Do Consenso

  • Fuja da opinião da maioria: geralmente está errada.
  • Mas a opinião do rebanho às vezes está correta.
  • Não embarque nas especulações em moda.
  • Uma boa hora de comprar pode ser quando ninguém quer comprar.
  • Uma boa hora de vender pode ser quando ninguém quer vender.
  • A maioria das pessoas acredita em clichês e ditados: e essa maioria também não é rica.
  • Não se deixe pressionar pela opinião da maioria: tenha a sua própria.
  • Seja desconfiado como Descartes, e ganhe dinheiro como ele.

11. Da Teimosia

  • Se não deu certo na primeira vez, não insista de novo: esqueça.
  • A emoção espanta a razão.
  • Jamais raciocine com “preços médios”: use sempre o preço realmente pago.
  • Não fique obcecado com negócio que deu errado nem tente “recuperar a perda”: escolha outro.

12. Do Planejamento

  • Planejamento de longo prazo gera a perigosa crença de que o futuro está sob controle.
  • Nunca leve a sério o planejamento: o mundo é caótico e imprevisivel.
  • Fuja de investimentos de longo prazo e de seguros de vida.
  • No máximo, você poderá prever uma semana na frente. Além disso, é o caos.

O PODER: COMO CONQUISTÁ-LO, COMO UTILIZÁ-LO

O  PODER: COMO  CONQUISTÁ-LO COMO  UTILIZÁ-LO

(nas grandes empresas)

 

Primeira Edição: 1975

OPINIÕES SOBRE O LIVRO

COPYRIGHT

IN MEMORIAM

PENSAMENTOS

AGRADECIMENTOS

SOBRE O AUTOR

CONTRACAPA

 

 

Edição de 11-jul-1976

PRIMEIRA PARTE:
OS FILHOS QUERIDOS DO PODER

Cap. 1: O JOGO DO PODER
Cap
. 2: HISTÓRIAS DE PODER
Cap
. 3: VIVER COM PODER

SEGUNDA PARTE:
O MUNDO DO PODER

Cap. 4: A CENA DO PODER
Cap
. 5: JOGOS DO PODER
Cap
. 6: EXERCICIOS DO PODER
Cap
. 7: SÍMBOLOS DO PODER
Cap
. 8: AS MULHERES E O PODER

TERCEIRA PARTE:
O AMOR AO PODER

Cap. 9: CÓDIGO DO PODER